PREVALÊNCIADE NEMATÓDEOSINTESTINAIS EM EQUINOS DE TRAÇÃO NA CIDADE DE PELOTAS/RS, BRASIL

  • Julia Somavilla Lignon Departamento de Veterinária Preventiva, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS
  • Natália Soares Martins Médica Veterinária, Departamento de Veterinária Preventiva, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, Brasil.
  • Alice Mueller Aluno de Graduação, Medicina Veterinária, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, Brasil.
  • Francine Siegert Aluno de Graduação, Medicina Veterinária, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, Brasil.
  • Maysa Seibert de Leão Aluno de Graduação, Medicina Veterinária, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, Brasil.
  • João Luis Trojan Camassola Aluno de Graduação, Medicina Veterinária, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, Brasil.
  • Thaíssa Gomes Pellegrin Aluno de Graduação, Medicina Veterinária, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, Brasil.
  • Tatiana de Avila Antunes Residente em Doenças e Zoonoses Parasitárias, Departamento de Veterinária Preventiva, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, Brasil.
  • Felipe Geraldo Pappen Departamento de Veterinária Preventiva, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, Brasil
  • Diego Moscarelli Pinto Departamento de Veterinária Preventiva, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, Brasil
Palavras-chave: Diagnóstico parasitológico, parasitos, Strongylidae

Resumo

Os equinos são utilizados em diversas atividades de trabalho, esporte e lazer, que demandam um bom desempenho e higidez do animal. Um dos fatores que alteram esses aspectos é a presença de endoparasitos. A atividade econômica utilizando equinos para tração é uma prática comum na cidade de Pelotas/RS, visto que muitas famílias dependem do cavalo para seu sustento. É indispensável manter a saúde e o bem-estar dos cavalos, evitando a redução do desempenho no trabalho. O objetivo do trabalho foi avaliar a avaliar a prevalência de helmintos gastrintestinais em equinos de tração na cidade. Para o estudo, foram utilizados resultados de diagnósticos de amostras fecais, obtidos através do banco de dados do laboratório do Grupo de Estudos em Enfermidades Parasitárias (GEEP) da Faculdade de Veterinária na Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Entre os meses de janeiro a dezembro de 2018, 82 amostras foram processadas através da técnica de Gordon e Whitlock e os resultados expressos em OPG. Do total de amostras analisadas, 90,2% (74/82) foram positivas para algum helminto, apresentando média de contagem de 739,2 OPG. Observou-se maior prevalência de infecções por parasitos da família Strongylidae (74,3%). Infecções por Parascaris spp. e Strongyloides sp. foram observadas com 13,4% e 2,43% de prevalência, respectivamente. Conclui-se que na população de equinos avaliada, a maioria dos animais estavam parasitados por algum espécime de helminto, sendo os da família Strongylidae os mais prevalentes.

Referências

1. Madeira de carvalho LM. Epidemiologia e controlo da estrongilidose em diferentes sistemas de produção equina em Portugal [Dissertação]. Lisboa: Faculdade de Medicina Veterinária, Universidade Técnica de Lisboa; 2001.
2. Araujo LO, Curcio BR, Oliveira DP, Feijó, LS, Lamas L, Vieira PS, Nogueira CEW. Atenção Integral a Carroceiros e Catadores de Lixo de Pelotas, RS. Expressa Extensão. 2015; 1-11.
3. Scarpelli EM. Bem estar equino. Mundo Equestre. Clínica Veterinária. 2010; 32.
4. Ogbourne CP. Pathogenesis of cyathostome (Trichonema) infections of the horse: A review. Miscellaneous publication. 1978; 5:1-25.
5. Ferraro CC, Kloss AB, Souza DF, Deconto I, Biondo AW, Molento MB. Prevalência Parasitológica de Cavalos de Carroceiros em Curitiba, Paraná. Rev Bras Parasitol Vet. 2008;17(1):175-177.
6. Andrade RLFS, Sobral JC, Silva KMG. Avaliação Clínica, Hematológica e Parasitária em Equinos de Tração na Cidade de Aracaju, Sergipe. Acta Veterinaria Brasilica. 2009;3(3):138-142.
7. Velho J. Inserção do Médico Veterinário nas Comunidades Carentes de Pelotas/RS. In Anais do 2º Salão de Extensão e Cultura; 2007, Pelotas. Pelotas: Universidade Federal de Pelotas; 2007, p. 1-3.
8. Gordon HMcL, Whitlock HV. A new technique four counting nematode eggs in sheep faeces. J Sci Ind Res. 1939;12(1):50-52.
9. Hoffmann RP. Diagnóstico de Parasitismo Veterinário. Porto Alegre: Sulina; 1987.
10. Klei TK, Chapman MR. Immunity in equine cyathostome infections. Vet Parasitol. 1999; 85(2-3):123-136.
11. Finger MAP, Kamoi MYT, Dornbusch PT, Deconto I, Filho IRB, Biondo AW. Avaliação hemtológica e parasitária em equinos de tração do município de Pinhais – PR. Revista Medicina Veterinária e Zootecnia. 2014;12(1):71.
12. Alves LP, Costa GV, Bizotto GV, Brunetto AC, Bondan C. Aspectos Socioeconômicos dos Carroceiros da Cidade de Passo Fundo e as Condições de Saúde dos Cavalos Atendidos Pelo Projeto S.O.S. Cavalo de carroça da Universidade de Passo Fundo. Revista de Extensão da Universidade de Cruz Alta. 2010; 2(1).
13. Morales BAA; Belco H; Gómez RMS. Prevalência de parásitos gastrintestinales en caballos pura sangue de carrera (Equus caballus) durante el periodo de cuarentena 2012 em el Hipodromo “La Rinconada” Caracas, Venezuela. Rev. Ibero-Latinoam. Parasitol. (2012); 71 (2): 179-182
14. Chaparro-Gutiérrez JJ, Ramírez-Vásquez NF, Piedrahita D, Strauch A, Sánchez A, Tobón J, Olivera-Angel M, Ortiz-Ortega D, Villar-Argaiz D. Prevalencia de parásitos gastrointestinales en equinos y factores de riesgo asociados en varias zonas de Antioquia, Colombia. Rev. CES Med. Zootec. 2018; 13 (1): 7-16.
15. Morales BAA; Belco H; Gómez RMS. Prevalência de parásitos gastrintestinales en caballos pura sangue de carrera (Equus caballus) durante el periodo de cuarentena 2010 em el Hipodromo “La Rinconada” Caracas, Venezuela. Neotropical Helminthology; 2011; 5;(1): 85-88.
16. Love S, Murphy D, Mellor D. Pathogenicity of cyathostome infection. Vet Parasitol. 1999; 85: 113-121.
17. Nielsen MK. Sustainable equine parasite control: perspectives and research needs. Vet Parasitol. 2012; 185: 32-44.
18. Peregrine AS, Mcewen B, Bienzle D, Koch TG, Weese JS. Larval cyathostominosis in horses in Ontario: an emerging disease? Can Vet J. 2006; 47(1):80-82.
19. Martins NS. Epidemiologia e controle de nematódeos intestinais em equinos da região sul do Rio Grande do Sul, Brasil [Dissertação]. Pelotas: Programa de Pós-Graduação em Parasitologia, Instituto de Biologia, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas; 2018.
20. Papazahariadou M, Papadopoulos E, Diakou A, Ptochos S. Gastrointestinal parasites of stabled and grazing horses in Central and Northern Greece. J Equine Vet Sci. 2009; 29(4):233-236.
21. Sharma S, Shukla PC, Dixit P, Dixit AK. Prevalence of gastrointestinal helminths in horses in Malwa region of Madhya Pradesh. Veterinary Practitioner. 2011; 12(1): 68-69.
Publicado
18-07-2020
Como Citar
1.
Lignon JS, Soares Martins N, Mueller A, Siegert F, Seibert de Leão M, Trojan Camassola JL, Gomes Pellegrin T, de Avila Antunes T, Geraldo Pappen F, Moscarelli Pinto D. PREVALÊNCIADE NEMATÓDEOSINTESTINAIS EM EQUINOS DE TRAÇÃO NA CIDADE DE PELOTAS/RS, BRASIL. RVZ [Internet]. 18º de julho de 2020 [citado 25º de novembro de 2020];27:1-. Disponível em: https://rvz.emnuvens.com.br/rvz/article/view/439
Seção
Artigos Originais