INFESTAÇÕES POR Rhabditis spp.: UMA REVISÃO

Uma revisão

  • Samilla Sobral
  • Lauany Santos Almeida
  • Carolina Magri Ferraz
  • Otávio Luiz Fidelis Junior
  • Aline Del Carmen Garcia Lopes
  • Hélio Langoni
  • Tiago Facury Moreira
  • José Antônio Correia Lima
  • Vinícius Longo Ribeiro Vilela
  • Fabio Ribeiro Braga Universidade Vila Velha
Palavras-chave: Rhabditis spp.,, síndrome vestibular, impacto econômico, problema sanitário.

Resumo

Os nematoides do gênero Rhabditis são responsáveis por causar a otite parasitária em bovinos leiteiros da raça Gir. Esta afecção parasitária tem sido relatada em vários países de clima quente e úmido. No Brasil, a rhabditiose tem sido descrita em diversas regiões, sendo responsável pela queda na produção de leite nos rebanhos afetados. Ao melhor do nosso conhecimento literário, a otite parasitária gera danos diretos na economia e sanidade animal, contudo, exististe uma certa discrepância no controle e terapêutica utilizados. O objetivo dessa revisão foi proporcionar a comunidade científica, técnicos e aos produtores rurais uma atualização do conhecimento da problemática da otite parasitária no Brasil e no mundo. O controle parasitário do Rhabditis spp., bem como a sua terapêutica ainda são considerados ineficazes, visto que as recidivas são comuns. Dessa forma, a problemática da otite parasitária no Brasil ainda carece de novos estudos, mas alguns protocolos alternativos experimentais recentes apontam sinergicamente para um “horizonte” mais produtivo no controle desta parasitose.

Biografia do Autor

Samilla Sobral

Médica Veterinária , Mestranda em Ciência Animal

Referências

1. Bossi PV, Consoli EA, Rosa JMO, Leite LB, Leite RC, de Oliveira CMG. Molecular identification and phylogenetic analysis of Metarhabditis blumi (Nematoda: Rhabditida). Vet Parasitol. 2015; 214:1-2.
2. Duarte E R, Melo MM, Hamdan, J. S. Epidemiological aspects of bovine parasitic otitis caused by Rhabditis spp. and/or Raillietia spp. in the state of Minas Gerais, Brazil. Vet Parasitol. 2001; 101(1): 45-52.
3. Barbosa JD, Silva JB, Lima DHS, Araújo LHV, Santos LL, Reis ASB, Salvarani FM, Brito MF. Detection and treatment of otitis by Rhabditis blumi in cattle of northern Brazil. Pesq Vet Bras. 2016, 36(7):605-610.
4. Sobral SA, Ferreira BS, Senna CC, Ferraz CM, Moreira TF, Fidelis Junior OL, Hiura E, Tobias FL, Machado RZ, Araújo JV, Braga FR. Rhabditis spp., in the Espírito Santo, State of Brazil and evaluation of biological control. Rev Bras Parasitol Vet. 2019; 28(2): 333-337.
5. Rezende R.B. Otite parasitária causada por Rhabditis spp. em bovinos. Jatobá: Faculdade de Medicina Veterinária, Universidade Federal de Goiás; 2010.
6. Silva FM, Santos FGA, Montoya-Flórez LM, Rocha NS, Diniz JVA. Otite parasitária causada por Rhabditis (Rhabditis) freitasi (Nematoda: Rhabditidae) em animais da raça Gir no estado do Acre. Braz J Vet Med. 2016; 38(2): 116-120.
7. Calderón A, Cardona J, Vargas M. Prevalence of Rhabditis sp. Parasitic Otitis in Cattle Farms Gyr in Cordoba, Colombia. Rev UDCA Actual Divulg Cient. 2016; 19(1): 149-154.
8. Leite PV, Leite LB, Cunha APD, Silva MX, Bello ACP, Domingues LN, Leite AJ, Leite RC. Clinical aspects and dyna/mics of auricular parasitosis in Gir cattle. Pesq Vet Bras. 2013; 33(3): 319-325.
9. Vieira MCM, Silva LAF, Borges NC, Araújo JLB, Santin API, Silva EV. Estudo da prevalência de otites clínicas por Rhabditis sp. em bovinos da raça Gir no Estado de Goiás. Anais Esc Agron Vet. 1998; 28(2): 19-29.
10. Duarte ER, Hamdan JS. Otitis in Cattle, an Aetiological Review. J Vet Med. 2004; 51:1–7.
11. Souza WA, Calderaro T, Matosinho RDO, Pratellesi NB, Soliva NA, Neves MF. Otite parasitária causada por nematóides rhabditiformes. Rev Cientif Elect Med Vet. 2008; 6(11).
12. Cardona-Álvarez JA, Martínez-Martínez, MM, Pérez-Osorio J. Evaluación clínica de la otitis parasitaria bovina (Rhabditis bovis) en la raza Gyr1. Vet Zoot. 2014; 8(2): 102-109.
13. Campos SBS, Serodio JJ, Brazil DS, Silva TV, do Prado TD, de Moura VMBD, da Silva LAF. Evolução clínica, diagnóstico, tratamento e achados de necropsia da otite parasitária por Rhabditis sp. em touro da raça gir-relato de caso. Ciênc Anim Bras. 2009; 677-683.
14. Verocai GG, Fernandes JI, Correia TR, Melo RM, Alves PAM, Scott FB, Grisi L. Inefficacy of albendazole sulphoxide and ivermectin for the treatment of bovine parasitic otitis caused by rhabditiform nematodes. Pesq Vet Bras. 2009; 29(11): 910-912.
15. Ferraz CM, Sobral SA, Senna CC, Junior OF, Moreira TF, Tobias FL., Soares FEF, Geniêr HLA, Vilela VLR, Lima JAC, de Araújo JV, Braga FR. Combined use of ivermectin, dimethyl sulfoxide, mineral oil and nematophagous fungi to control Rhabditis spp. Vet Parasitol. 2019; 275: 108924.
16. IBGE. Indicadores IBGE: estatística da produção pecuária. Produção Animal no 1° Trimestre de 2020. Brasil; 2020 [2020 Jun 10] Available from:< https://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?id=72380&view=detalhes>.
17. Pereira LODM. Frequência de helmintos gastrointestinais e protozoários entéricos em bovinos criados no município de Custódia - PE. Custódia: Universidade Rural de Pernambuco; 2019.
18. Leira MH, Botelho HA, Barreto BB, Botelho JHV, Pessoa GO. Fatores que alteram a produção e a qualidade do leite: Revisão. PUBVET. 2018; 12:172.
19. Leite PV, Cunha LM, Oliveira PR, Leite LB, Leite RC. Farmers' perception about parasitic otitis in Gyr breed from three states of Brazil. Pesq Vet Bras. 2012; 32(9): 855-858.
20. Cardona JA, González M, Álvarez J. Frequency of clinical parasitic otitis due to Rhabditiform nematodes (Rhabditis sp) in six Gyr breed cattle farms in Cordoba, Colombia. Rev Colomb Cienc Pecu. 2012; 25(3): 417-421.
21. Msolla P, Semuguruka WD, Kasuku AA, Shoo MK. Clinical observations on bovine parasitic otitis in Tanzania. Trop Anim Health Prod. 1993; 25(1):15-18.
22. Matandala MM, Mugera GM, Ngatia TA. "Prevalence of bovine (nematodes) otitis in Kenya." Kenya Vet. 2002; 25: 32-35.
23. Martins Jr W. Rhabditis (Rhabditis) freitasi sp. n. e Rhabditis (Rhabditis) costai sp. n. (Nematoda-Rhabditidae) isolados de otite bovina. Mem Inst Oswaldo Cruz. 1985; 80(1): 11-16.
24. Vieira MCM, da Silva LAF, de Barros JLA, Fioravanti MCS, Silva EV. Otites parasitárias por nematódeos rabditiformes em bovinos: avaliação de tratamentos. Ciênc Anim Bras. 2001; 2(1): 51-55.
25. Verocai GG, Fernandes JI, Correia TR, Melo RMPS, Alves PAM, Scott FB. Otite parasitária bovina por nematóides rhabditiformes em vacas Gir no Estado do Rio de Janeiro. Rev Bras Parasitol Vet. 2007; 16(2):105-107.
26. Obatolu UU, Pfukenyi DM, Ushe T. A retrospective epidemiological study of parasitic otitis in cattle in the South-East Lowveld of Zimbabwe. Zimbabwe Vet J. 1999; 30(1):19-24.
27. Duarte ER, Resende JC, Rosa CA, Hamdan JS. Prevalence of yeasts and mycelial fungi in bovine parasitic otitis in the State of Minas Gerais, Brazil. J Vet Med B Infect Dis Vet Public Health. 2001; 48(8):631-635.
28. Leite PVB. Agentes Associados, Aspectos Clínicos e Controle da Otite Parasitária em Bovinos da Raça Gir. Minas Gerais: Universidade Federal de Minas Gerais, 2015.
29. Radostits OM. Exame clínico e elaboração de um diagnóstico. In: Clínica veterinária: um tratado de doenças dos bovinos, ovinos, suínos, caprinos e eqüinos. Rio de janeiro: Guanabara Koogan, 2002.
30. Leite RC, Leite RC, Faccini JLH. Diagnóstico e tratamento da otite parasitária por nematóides rhabditiformes em bovinos. Rev Bras Parasitol Vet. 1994; 3(1): 69-70.
31. Oliveira CM, Bessi R, Harakava R, Machado ACZ, Kubo RK. Técnicas moleculares e microscopia eletrônica de varredura no esclarecimento da posição taxonômica da população K5 de Pratylenchus sp. Nematol Bras. 2011; 35: 36-45.
32. Msolla P, Falmer-Hansen J, Musemakweli J, Monrad J. Treatment of bovine parasitic otitis using ivermectin. Trop Anim Health Prod. 1985; 17(3): 166-168.
33. Araújo JV, Guimarães MP. Ação do fungo predador de nematoides Monacrosporium thaumasium sobre Rhabditis spp. Ciênc Anim. 2002; 12(2): 129-132.
34. Lysek H, Fassatiová O, Pineda NC, Hernández NL. Ovicidal fungi in soils of Cuba. Folia Parasitol. 1982; 29:265-270.
35. Araujo JV, Santos MA, Ferraz S, Maia AS. Antagonistic effect of predacious fungi Arthrobotrys on infective Haemonchus placei larvae. J Helminthol. 1993; 67:136–138
36. Braga FR, Araújo JV, Campos AK, Carvalho RO, Silva AR, Tavela AO, Maciel AS. Observação in vitro da ação dos isolados fúngicos Duddingtonia flagrans, Monacrosporium thaumasium e Verticillium chlamydosporium sobre ovos de Ascaris lumbricoides (Lineu, 1758). Rev Soc Bras Med Trop. 2007; 40(3): 356-358.
37. Braga FR, Araújo JV. Nematophagous fungi for biological control of gastrointestinal nematodes in domestic animals. Appl Microbiol Biotechnol 2014; 98(1): 71-82.
38. Braga FR, Ferraz CM, da Silva EN, de Araújo JV. Efficiency of the Bioverm® (Duddingtonia flagrans) fungal formulation to control in vivo and in vitro of Haemonchus contortus and Strongyloides papillosus in sheep. Biotech. 2020; 10(2): 62.
Publicado
06-12-2020
Como Citar
1.
Sobral S, Almeida LS, Ferraz CM, Junior OLF, Lopes ADCG, Langoni H, Moreira TF, Lima JAC, Vilela VLR, Braga F R. INFESTAÇÕES POR Rhabditis spp.: UMA REVISÃO: Uma revisão. RVZ [Internet]. 6º de dezembro de 2020 [citado 13º de maio de 2021];27:1-10. Disponível em: https://rvz.emnuvens.com.br/rvz/article/view/496
Seção
Artigos de Revisão

Most read articles by the same author(s)