Monitoramento do vírus da raiva em diferentes espécies de morcegos em Maringá, sul do Brasil

  • Alexandre Luiz Polizel
  • Helena Beatriz de Carvalho Ruthner Batis
  • Henrique Ortêncio Filho
Palavras-chave: chiroptera, vírus da raiva, saliva

Resumo

A raiva é uma enfermidade infectocontagiosa de caráter zoonótico, causada pelo vírus da
raiva (RABV). Os quirópteros juntamente com os canídeos são os principais reservatórios do
RABV, sendo responsáveis respectivamente pela manutenção dos ciclos aéreo e terrestre da
doença. O presente trabalho teve por objetivo identificar interações entre o vírus e o
reservatório no ciclo aéreo da raiva. Para isto, a presença do RABV foi investigada em
amostras de saliva de morcegos de diferentes espécies. Foram realizadas trinta e seis capturas
de morcegos, na Região de Maringá, Paraná, sul do Brasil, no período de abril a dezembro de
2013. Os morcegos foram capturados com auxílio de redes de nylon e acondicionados em
sacos de algodão. Foram registrados os dados biométricos e coletada uma amostra de swab
oral de cada exemplar. Para a identificação do RABV, foi realizada a técnica de Semi-Nested
RT-PCR (“Reverse transcription polymerase chain reaction”) tendo como alvo o gene N que
codifica a nucleoproteína do vírus. A análise de dados foi realizada por estatística descritiva.
Ao longo do estudo, foram capturados 444 morcegos, pertencentes a quatro famílias e quinze
espécies. O RABV não foi identificado em nenhuma das amostras analisadas. Estes resultados
demonstram a ausência de excreção do RABV pela saliva de morcegos saudáveis na região
alvo do estudo e salientam para a necessidade de mais estudos sobre a manutenção da raiva
nas diferentes espécies de morceg

Referências

1. International Committee on Taxonomy of Viruses. The Universal Virus Database, version
4 [Internet]. Ithaca, New York. 2016 [cited 2016 Mar 23]. Available
from://www.ncbi.nlm.nih.gov/ICTVdb/ICTVdB/
2. Almeida MF, Aguiar EAC, Martorelli LFA, Silva MMS. Diagnóstico laboratorial de raiva
em quirópteros realizado em área metropolitana na região sudeste do Brasil. Rev Saude
Publica. 1994;28(5):341-4.
3. Silva LHQ, Cunha EMSC, Pedro WA, Cardoso TC, Souza MCC, Ferrari CIL. Isolamento
do vírus rábico em Molossus ater (Chiroptera: Molossidae) no Estado de São Paulo. Rev
Saude Publica. 1999;33(6):626-8.
4. Sodré MM, Gama AR, Almeida MF. Updated list of bat species positive for rabies in
Brazil. Rev Inst Med Trop São Paulo. 2010;52:75-81.
5. Batista HBCR, Franco AC, Roeche PM. Raiva: uma breve revisão. Acta Sci Vet.
2007;35(2):125-44.
6. Martorelli LFA, Aguiar EAC, Almeida MF, Silva MMS, Nunes VFP. Isolamento do vírus
rábico de morcego insetívoro, Lasiurus borealis. Rev Saude Publica. 1996;30(1):101-2
7. Silva MMS, Harman I, Gonçalves EFB, Uieda V. Bats from the metropolitan region of São
Paulo, southeastern Brazil. Chiropt Neotrop. 1996;2(1):39-41.
8. Reis NR, Lima IP, Peracchi AL. Morcegos (Chiroptera) da área urbana de Londrina,
Paraná, Brasil. Rev Bras Zool. 2006;19(3):739-46.
9. Mikich SB. A dieta dos morcegos frugívoros (Mammalia, Chiroptera, Phyllostomidae) de
um pequeno remanescente de floresta estacional semidecidual do sul do Brasil. Rev Bras
Zool. 2002;19(1):239-49.
10. Grenhall AM, Paradiso JL. Bats and bat banding. Washington: Bureau of Sport Fisheries
and Wild; 1968.
11. Vizotto LD, Taddei VA. Chave para determinação de quirópteros brasileiros. Bol Cienc.
1973;1:1-72.
12. Jones Jr JK, Carter DC. Annotated checklist, with keys to subfamilies and genera. In:
Baker RJ, Jones Jr JK, Carter DC. Special Publications Museum Texas Tech. University.
Biology of bats of the new world family Phyllostomidae. Part I. Lubbock: Texas Tech
Press; 1976. v.10, p.7-38.
13. Gregorin R, Taddei VA. Chave artificial para identificação de molossídeos brasileiros
(Mammalia, Chiroptera). Mastozool Neotrop. 2002;1(9):13-32.
14. Carnieli JRP, Fahl WO, Castilho JG, Oliveira RN, Macedo CI, Durymanova E, et al.
Characterization of Rabies virus isolated from canids and identification of the main wild
canid host in Northeastern Brazil. Virus Res. 2008;131:33-46.
15. Scheffer KC, Carrieri ML, Albas A, Santos HCP, Kotait I, Ito FH. Vírus da raiva em
quirópteros naturalmente infectados no Estado de São Paulo, Brasil. Rev Saude Publica.
2007;41(3):389-95.
16. World Health Organization. Expert Committee on Rabies, 8th Report. Geneve: WHO;
1992. (Technical report series, nº 824).
17. Harris SL, Aegerter JN, Brookes SM, Mcelhinney LM, Jones G, Smith GC, et al.
Targeted surveillance for european bat Lyssaviruses in english bats (2003-06). J Wildl
Dis. 2009;45(4):1030-41.
18. Schatz J, Ohlendorf B, Busse P, Pelz G, Dolch D, Theubner J, et al. Twenty years of
active bat rabies surveillance in Germany: a detailed analysis and future perspectives.
Epidemiol Infect. 2014;142(6):1155-66.
19. Echevarria JE, Avellón A, Juste J, Vera M, Ibánez C. Screening of active Lyssavirus
infection in wild bat populations by viral RNA detection on oropharyngeal swabs. J Clin.
2001;10(39):3678-83.
Publicado
29-09-2017
Como Citar
Polizel, A. L., de Carvalho Ruthner Batis, H. B., & Filho, H. O. (2017). Monitoramento do vírus da raiva em diferentes espécies de morcegos em Maringá, sul do Brasil. Veterinária E Zootecnia, 24(3), 613-619. https://doi.org/10.35172/rvz.2017.v24.298
Seção
Artigos Originais