Considerações sobre fraturas em aves

Palavras-chave: tratamento, consolidação, osso, imobilização, complicação

Resumo

A presente revisão teve por objetivos descrever aspectos das fraturas em aves, alguns métodos de imobilização e as complicações das fraturas. Embora os princípios de reparo da fratura em aves seja similar aos de pequenos animais, existem diferenças que precisam ser consideradas no momento da aplicação do método de imobilização. As fraturas em aves podem ser imobilizadas por meio da coaptação externa (talas e bandagens), fixação interna (pinos, fios de cerclagem, placas ósseas) e fixação externa, entre outros, cada qual com suas vantagens e desvantagens. A severidade da fratura interfere na taxa e curso da consolidação; contudo, a estabilidade clínica pode preceder a evidência radiográfica, que é visibilizada entre 3 e 6 semanas. As fraturas em aves tendem a ser expostas e cominutivas, em virtude da insuficiente cobertura de tecidos moles. Quando expostas, as fraturas apresentam alto risco de osteomielite e, consequentemente, podem desenvolver união atrasada ou não-união.

Publicado
12-03-2020
Como Citar
Cueva, L. O. B., Rahal, S. C., Mesquita, L. R., Mamprim, M. J., Alves, A. C. da T., Kano, W. T., Filho, T. G., & Matsubara, L. M. (2020). Considerações sobre fraturas em aves. Veterinária E Zootecnia, 27, 1-11. https://doi.org/10.35172/rvz.2020.v27.351
Seção
Artigos de Revisão