Inquérito sobre o uso de animais não humanos em pesquisas no instituto de ciências biológicas – unesp – Botucatu - SP

  • Ana Elisa Sales Dourado
  • Stelio Pacca Loureiro Luna
  • Nadia Crosignani
Palavras-chave: animais de laboratório, experimentação animal, ética, bioética

Resumo

A necessidade do uso de animais de laboratório para pesquisa científica na área biológica é
um paradigma atual. Este trabalho objetivou, por meio de questionário, verificar as
concepções de pesquisadores, a prática e as condições do uso de animais não humanos em
experimentação científica na área de Ciências Biológicas, do Instituto de Biociências (IB), da
Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP), campus de Botucatu-SP.
De 39 pesquisadores, 28% usavam animais em pesquisa, com predomínio de roedores e
peixes. O uso de animais em pesquisa foi considerado altamente necessário ou necessário para
79% dos pesquisadores, incluindo os que não usam animais para tal propósito, com
predomínio dos pesquisadores com mais de 20 anos de carreira. Dos pesquisadores que usam
animais, 73% não acreditavam na viabilidade de métodos substitutivos em suas linhas de
pesquisa. Dentre os professores que abandonaram as práticas experimentais com animais,
83% o fizeram por mudança da linha de pesquisa e não por razões éticas ou financeiras.
Alguns métodos de eliminação (“eutanásia”) estavam em desacordo com a legislação vigente.
Em 73% dos ambientes havia controle de temperatura e luminosidade, no entanto, em 65%
não havia enriquecimento ambiental. A maioria dos pesquisadores, principalmente os mais
antigos, ainda considera o modelo animal necessário para testar as hipóteses científicas.
Conclui-se que o incentivo a aplicação de técnicas substitutivas é necessário, por meio de
ações de conscientização e validação de métodos substitutivos, para que os pesquisadores se
familiarizem com essa nova perspectiva. Com relação aos animais, faz-se necessária a
adequação dos métodos de eliminação de acordo com a legislação vigente, o uso de
analgésicos em todas as intervenções invasivas e a inserção de enriquecimento ambiental para
melhoria do bem-estar dos animais.

Referências

1. Knight A. The effectiveness of humane teaching methods in veterinary education.
ALTEX. 2007;24(2):91-109.
2. Frajblat M, Amaral VLL, Rivera EAB. Ciência em animais de laboratório. Cienc Cult.
2008;60(2):44-6.
3. Duncan IJD. Welfare is to do with that animals feel. J Agric Environ Ethics. 1993;6(Spec
Suppl 2):8-14.
4. Singer P. Igualdade para os Animais? In: Ética prática. São Paulo: Martins Fontes; 1993.
p.65-92.
5. Darwin C. The origin of species. London: John Murray; 1859.
6. Alves ND. Dor, senciência e bem-estar em animais: pequenos animais. In: Anais do 1o
Congresso Brasileiro de Bioética e Bem-Estar Animal e 1o Seminário Brasileiro de
Biossegurança e Biotecnologia Animal; 2008; Recife. Recife: CFMV; 2008. p.18-9.
7. Luna SPL. Dor, sensciência e bem-estar em animais: sensciência e dor. In: Anais do 1o
Congresso Brasileiro de Bioética e Bem-Estar Animal e 1o Seminário Brasileiro de
Biossegurança e Biotecnologia Animal; 2008; Recife. Recife: CFMV; 2008. p.16-7.
8. Wells N. The use of animals in research, testing and teaching in New Zealand: a legal
perspective. ALTEX. 2006;23(Spec Issue):85-9.
9. Knight S, Vrij A, Bard K, Brandon D. Science versus humanwelfare? Understanding
attitudes toward animal use. J Soc Issues. 2009;65(3):463-83.
10. Ruksenas O. Animals and alternatives in biomedical education in the Baltics. ALTEX.
2006;23(Spec Issue):78-80.
11. Patronek GJ, Rauch A. Systematic review of comparative studies examining alternatives
to the harmful use of animals in biomedical education. J Am Vet Med Assoc.
2007;230(1):37-43.
12. Fleischmann KR. Frog and cyberfrogs are friends: dissection simulation and animal
advocacy. Soc Anim. 2003;11(2):123-43.
13. Strauss R, Kinzie MB. Student achievement and attitudes in a pilot study comparing an
interactive videodisc simulation to conventional dissection. Am Biol Teach.
1994;56(7):398-402.
14. Balcombe J. Dissection: the scientific case for alternatives. J Appl Anim Welf Sci.
2000;4(2):118-26.
15. Youngblut C. Use of multimedia technology to provide solutions to existing curriculum
problems: virtual frog dissection [thesis]. Fairfax: George Mason University; 2001.
16. Feeney DM. Human rights and animal welfare. Am Psychol. 1987;42(6):593-9.
17. Hagelin J, Carlsson H, Hau J. An overview of surveys on how people view animal
experimentation: some factors that may influence the outcome. Public Underst Sci.
2003;12(1):67-81.
18. Herzog HA, Galvin S. Common sense and the mental lives of animals: an
empirical approach. Anthropomorphism, anecdotes and animals. Albany: State University
of New York Press; 1997.
19. Takooshian H. Opinions on animal research: scientists versus the public. PsyETA Bull.
1988;(7):5-7.
20. Phillips MT, Sechzer JA. Animal research and ethical conflict. An analysis of the
scientific literature 1966-1986. New York: Springer Verlag; 1989.
21. Gunther AC. Congenial public, contrary press, and biased estimates of the climate of
opinion. Public Opin Q. 2001; 65(3):295-320.
22. Stokes EL, Flecknell PA, Richardson CA. Reported analgesic and anaesthetic
administration to rodents undergoing experimental surgical procedures. Lab Anim.
2009;43(2):149-54.
23. Flecknell PA, Roughan JV. Assessing pain in animals: putting research into practice.
Anim Welf Sci. 2004;13(1):71-5.
24. Viau V, Sharma S, Plotsky PM, Meaney MJ. Increased plasma ACTH responses to stress
in nonhandled compared with handled rats require basal levels of corticosterone and are
associated with increased levels of ACTH secretagogues in the median eminence. J
Neurosci. 1993;13(3):1097-105.
25. Petroianu A. Aspectos éticos na pesquisa em animais. Acta Cir Bras. 1996;11(3):157-64.
26. Cerqueira N. Métodos alternativos ainda são poucos e não substituem totalmente o uso de
animais. Cienc Cult. 2008;60(2):47-8.
27. Wolfer DP, Litvin O, Morf S. Laboratory animal welfare: cage enrichment and mouse
behaviour. Nature. 2004;432(7019):821-2.
28. Olsson AS, Dahlborn K. Improving housing conditions for laboratory mice: a review of
‘environmental enrichment’. Lab Anim. 2002;36(3):243-70.
29. Morales MM. Métodos alternativos à utilização de animais em pesquisa científica: mito
ou realidade? Cienc Cult. 2008;60(2):33-6.
30. Lima WT. Entendimento humano da experimentação animal. Cienc Cult. 2002;60(2):26-
7.
Publicado
30-06-2017
Como Citar
Elisa Sales Dourado, A., Pacca Loureiro Luna, S., & Crosignani, N. (2017). Inquérito sobre o uso de animais não humanos em pesquisas no instituto de ciências biológicas – unesp – Botucatu - SP. Veterinária E Zootecnia, 24(2), 353-362. Recuperado de https://rvz.emnuvens.com.br/rvz/article/view/316
Seção
Artigos Originais

Most read articles by the same author(s)