PRINCÍPIOS E APLICAÇÕES DA BETATERAPIA EM MEDICINA VETERINÁRIA

  • Michel de Campos Vettorato Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia
  • Jéssica Leite Fogaça Discente do Programa de Pós graduação em Biotecnologia Animal da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ/UNESP), Campus de Botucatu, Distrito de Rubião Junior, S/N, Botucatu - São Paulo – Brasil.
  • Sheila Canevese Rahal Docente do Departamento de Cirurgia e Anestesiologia da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ/UNESP), Campus de Botucatu, Distrito de Rubião Junior, S/N, Botucatu
  • Marco Antônio Rodrigues Fernandes Docente do Departamento de Dermatologia e Radioterapia Veterinária da Faculdade de Medicina de Botucatu (FMB/UNESP), Distrito de Rubião Junior, S/N, Botucatu - São Paulo – Brasil
Palavras-chave: Radioterapia Veterinária, Braquiterapia, Radiação Beta

Resumo

A betaterapia é uma forma de braquiterapia onde a fonte emissora de raios beta é posicionada diretamente na área em que se deseja tratar. As principais aplicações são em dermatologia e em oftalmologia no tratamento de lesões superficiais, pois as partículas betas têm grande poder de ionização e pequeno alcance no tecido. A radioterapia em medicina veterinária vem aumentando e apresentando resultados consideravelmente no Brasil e pelo mundo. Esta revisão teve como objetivo descrever os princípios e aplicações da betaterapia em medicina veterinária. Para a concretização foi realizada uma pesquisa bibliográfica, possibilitando assim, consolidar informações relativas à base teórica e ao tema proposto. Foi observado o uso do Estrôncio-90 (Sr90) nos principais procedimentos realizados em animais domésticos, selvagens e de experimentação, realçando a importância desta técnica adjuvante. A betaterapia mostrou-se exequível e de fácil manuseio para aplicações em medicina veterinária, especialmente nos casos de lesões e neoplasias superficiais. As fontes radioativas emissoras de partículas betas, como as de Sr90 não requerem grandes cuidados com proteção radiológica, o que contribui para a viabilidade da sua manipulação em radioterapia veterinária, principalmente nos procedimentos intra-operatórios.

 

Biografia do Autor

Jéssica Leite Fogaça, Discente do Programa de Pós graduação em Biotecnologia Animal da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ/UNESP), Campus de Botucatu, Distrito de Rubião Junior, S/N, Botucatu - São Paulo – Brasil.

Graduada em 2014 em Tecnologia em Radiologia pela Faculdade de Tecnologia de Botucatu (SP) (FATEC-BT) em parceria com a Universidade Estadual Paulista de Botucatu (UNESP). Mestre em Biotecnologia Animal (2018), na área de Cirurgia Animal e na linha de pesquisa de Diagnóstico por imagem da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Botucatu (FMVZ/UNESP). Possui experiência em Tomografia Computadorizada e Radioterapia. Atualmente é aluna regular do Programa de Pós-graduação em Biotecnologia Animal (Doutorado), da área de Cirurgia Animal e na linha de pesquisa de Diagnóstico por imagem da FMVZ/UNESP.

Sheila Canevese Rahal, Docente do Departamento de Cirurgia e Anestesiologia da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ/UNESP), Campus de Botucatu, Distrito de Rubião Junior, S/N, Botucatu

Possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1982), mestrado em Medicina Veterinária pela Universidade Federal de Santa Maria (1989) e doutorado em Medicina Veterinária pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1996). Atualmente é professora Titular (início 2011) da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Unesp Botucatu. Foi Vice-Coordenadora do Programa de Pós-graduação em Medicina Veterinária da FMVZ, Unesp Botucatu, no triênio 2004-2006, e Coordenadora nos triênios 2007-2009 e 2010-2012. Foi responsável pelo envio à CAPES do Programa de Pós-graduação em Animais Selvagens, que teve seu início em 17 de agosto de 2015. Está como Coordenadora do Programa de Pós-graduação em Animais Selvagens, desde sua criação. Está como Coordenadora Geral do INCT - Ciência dos Animais Selvagens (CAS) - Chamada INCT - MCTI/CNPq/CAPES/FAPs nº 16/2014, que foi aprovado somente no mérito em 2016 e atualmente aguarda recebimento de certificado de Selo INCT. Tem experiência na área de Medicina Veterinária, com ênfase em Clínica Cirúrgica Animal, atuando principalmente nos seguintes temas: cão, gato, cirurgia, fratura, pequenos animais e animais selvagens. OBS: Todos os artigos publicados até 2019 em que consto como Segunda Autora, correspondem às pesquisas de alunos de graduação, pós-graduação e residência, entre outros, das quais fui orientadora

Marco Antônio Rodrigues Fernandes, Docente do Departamento de Dermatologia e Radioterapia Veterinária da Faculdade de Medicina de Botucatu (FMB/UNESP), Distrito de Rubião Junior, S/N, Botucatu - São Paulo – Brasil

Possui título de Livre Docente em Física Médica pela Faculdade de Medicina de Botucatu-FMB/UNESP (2018). Possui pós-doutorado na Faculdade de Medicina da UNESP de Botucatu (2007), doutorado no Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN/CNEN-SP) - 2000, mestrado pelo IPEN (1990), especialista em Física da Radioterapia pelo Hospital do Câncer de São Paulo (1996), bacharel em Física pelas Faculdades Oswaldo Cruz - SP (1986). É professor universitário desde 1987 e professor de cursos técnicos desde 2001. Atualmente exerce as funções de: A - Professor Associado (Livre Docente) do Departamento de Dermatologia e Radioterapia da Faculdade de Medicina da UNESP de Botucatu; B - Docente e orientador do Programa de Pós-Graduação em Pesquisa e Desenvolvimento (Biotecnologia Médica) da Faculdade de Medicina de Botucatu-UNESP; C - Docente e orientador do Programa de Pós-Graduação em Animais Selvagens da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia - Botucatu-UNESP; D - Professor do Curso de Tecnologia em Radiologia da Faculdade de Tecnologia de Botucatu (FATEC) Paula Souza. E - Professor Doutor no UniSalesiano de Araçatuba, F - Coordenador técnico do CETEA-Centro de Ensino e Tecnologia de Araçatuba, G - Físico responsável técnico da empresa NUCLEATA Radiometria Ltda ME. H - Professor pesquisador e colaborador da UNESP - Curso de Medicina Veterinária de Araçatuba. I - Membro do corpo de avaliadores de cursos superiores e instituições de ensino superior (IES) do MEC/INEP. Tem experiência na área de física médica e radioterapia, biofísica, radiologia e oncologia. É supervisor de radioproteção na área de radioterapia pela Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), especialista em radioterapia pela Associação Brasileira de Física Médica (ABFM). Eletrotécnico credenciado pelo Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (CREA). Membro efetivo da Sociedade Brasileira de Proteção Radiológica (SBPR). Membro efetivo da Sociedade Brasileira de Física (SBF). Membro efetivo da Associação Brasileira de Energia Nuclear (ABEN). Credenciamentos: CNEN: FT-0094 RA050 - ABFM: 778 / RT115 SBPR: 0217 SBF: 42839 CREA: 5060198963/TD. Leciona as disciplinas de Laboratório de Física Aplicada à Radioterapia, Técnicas de Radioterapia, Práticas de Radioterapia.

Referências

1. Banks WC, Roberts R, Morris E, & Hussey DH. Radiotherapy techniques in veterinary medicine. J Am Vet Med Assoc. 1972;160(4):446-50. .

2. Fernandes MAR. Utilização de moldes radioativos especiais de folhas de ouro-198 nos tratamentos de tumores de pele [tese]. São Paulo: Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares; 2000.

3. Mcniel E. Introduction to radiation therapy [Internet]. Michigan State University, East Lansing, Michigan. Department of Small Animal Clinical Sciences; 2009:126-29. [cited 2015 Sep. 23]. Available from: .

4. Esteves SCB, Oliveira ACZ & Feijó LDA. Braquiterapia de alta taxa de dose no Brasil. Rev Bras Radiol. 2004; 37(5):337-41. Available from: .

5. Fernandes MAR, Pernomian A, Coelho T, Louzada M, & Fernandes M. Desenvolvimento de uma metodologia para verificação da distribuição da radiação em aplicadores de betaterapia de estrôncio-90. In Anais do IX Congresso da Sociedade Brasileira de Radioterapia e VII Jornada de Física Médica; 2007.

6. Tada A. Análise dosimétrica de fontes de radiação para uso em lesões dermatológicas. [dissertação]. São Paulo: Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares; 2010.

7. Okuno E & Yoshimura EM. Física das radiações. Oficina de Textos; 2010.

8. Bentel GC. Radiation therapy planning. 2nd ed. New York: Mc Graw Hill; 1996.

9. Scaff L. Física radioterapia – A base analógica de uma era digital. v. 1 São Paulo: Projeto Saber; 2010.

10. Kent MS. Principles and applications of radiation therapy in exotic animals. Vet Clinics: Exotic Animal Practice 2017;20(1):255-70. doi: .

11. Junior R & Carlos W. Sistema de cálculo para determinação do tempo de exposição em radioterapia veterinária [monografia]. Botucatu: Instituto de Biociência - Universidade Estadual Paulista; 2009.

12. Fernandes MA, Andrade AL, Luvizoto MC, Pierô JR & Ciarlini LD. Radioterapia em medicina veterinária: princípios e perspectivas. Rev Bras de Física Médica 2010; 4(2):11-14. doi: .


13. Larue SM, Gordon IK. Radiation therapy. In: Withrow SJ, Vail DM, Page R. Withrow and MacEwen's small animal clinical oncology.5th ed. Philadelphia: Saunders; 2013. pp.194-7.

14. Mcentee MC. A survey of veterinary radiation facilities in the United States during 2001. Vet Radiol and Ultrasound 2004;45(5):476-9. doi: .

15. Soares CG. Comparison of NIST and manufacturer calibrations of 90Sr+ 90Y ophthalmic applicators. Medical Physics 1995;22(9):1487-93. doi: .

16. Oliveira ML & Caldas LVE. A special mini-extrapolation chamber for calibration of 90Sr+ 90Y sources. Physics Med & Biol. 2005;50(12):2929. Available from: .

17. Friedell HL, Thomas CI & Kroh-Mer JS. Description of an Sr90 be-ta-ray applicaton and its use on the eye. Am J Toentgenol Radium Therapy 1951;65(1):232-44. doi: < https://doi.org/10.1016/0002-9394(50)90445-4>.

18. International Commission on Radiation Units and Measurements. Dosimetry of beta rays and low-energy photons for brachytherapy with sealed sources. ICRU Report 72; 2004.

19. International Atomic Energy Agency. Calibration of photon and beta ray sources used in brachytherapy. IAEA-TECDOC-1274, Vienna; 2002.

20. Kirwan JF, Constable PH, Murdoch IE, & Khaw PT. Beta irradiation: new uses for an old treatment: a review. Eye 2003;17(2):207. doi: .

21. Goetsch SJ & Sunderland KS. Surface dose rate calibration of Sr‐90 plane ophthalmic applicators. Medical Physics 1991;18(2):161-6. doi: .

22. Goodfellow M, Hayes A, Murphy S, & Brearley M. A retrospective study of 90Strontium plesiotherapy for feline squamous cell carcinoma of the nasal planum. J Feline Med Surgery 2006;8(3):169-76. doi: .

23. Turrel JM, Farrelly J, Page RL & Mcentee MC. Evaluation of strontium 90 irradiation in treatment of cutaneous mast cell tumors in the cats: 35 cases (1992-2002). J Am Vet Med Assoc. 2006;228(6):898-901. doi: .

24. Donaldson D, Sansom J, Murphy S, & Scase T. Multiple limbal haemangiosarcomas in a border collie dog: management by lamellar keratectomy/sclerectomy and strontium‐90 beta plesiotherapy. J Small Animal Practice 2006;47(9):545-9. doi: .

25. Donaldson D, Sansom J, & Adams V. Canine limbal melanoma: 30 cases (1992–2004). Part 2. Treatment with lamellar resection and adjunctive strontium‐90β plesiotherapy–efficacy and morbidity. Vet Ophthalmol. 2006;9(3):179-85. doi: .

26. Hammond GM, Gordon IK, Theon AP, & Kent MS. Evaluation of strontium Sr 90 for the treatment of superficial squamous cell carcinoma of the nasal planum in cats: 49 cases (1990–2006). J Am Vet Med Assoc. 2007;231(5):736-41. doi: .

27. Montgomery KW, Van Der Woerdt A, Aquino SM, Sapienza JS, & Ledbetter EC. Periocular cutaneous mast cell tumors in cats: evaluation of surgical excision (33 cases). Vet Ophthalmol 2010;13(1):26-30. doi:.

28. Nagata K, Selting KA, Cook CR, Renschler M, & Lattimer JC. 90Sr therapy for oral squamous cell carcinoma in two cats. Vet Radiol & Ultrasound, 2011;52(1):114-7. doi: .

29. Mosunic CB, Moore PA, Carmicheal KP, Chandler MJ, Vidyashankar A, Zhao Y, ... & Dietrich UM. Effects of treatment with and without adjuvant radiation therapy on recurrence of ocular and adnexal squamous cell carcinoma in horses: 157 cases (1985–2002). J Am Vet Med Assoc. 2004;225(11):1733-8. doi: .

30. Plummer CE, Smith S, Andrew SE, Lassaline ME, Gelatt KN, Brooks DE, Kallberg ME & Ollivier FJ. Combined keratectomy, strontium-90 irradiation and permanentbulbar conjunctival grafts for corneolimbal squamous cell carcinomasin horses (1990–2002): 38 horses. Vet Ophthalmol. 2007;10(1):37-42. doi: < https://doi.org/10.1111/j.1463-5224.2007.00489.x>.

31. Nevile JC, Hurn SD, Turner AG & McCowan C. Management of canine corneal squamous cell carcinoma with lamellar keratectomy and strontium 90 plesiotherapy: 3 cases. Vet Ophthalmol. 2015;18(3):254-60. doi: .

32. Ware K & Gieger T. Use of strontium‐90 plesiotherapy for the treatment of a lingual plasmacytoma in a dog. J Small Animal Practice 2011;52(4):220-3. doi: .

33. Théon AP & Feldman EC. Megavoltage irradiation of pituitary macrotumours in dogs with neurologic signs. J Am Vet Med Assoc. 1998;213(2):225-31. .

34. Savage CJ. Segredos em medicina de equinos. Porto Alegre: Artmed; 2001.

35. Lavoie JP & Hinchcliff KW. Blackwell’s five minute veterinary consult equine. Iowa: Wiley-Blackwell; 2008.

36. Knottenbelt DC & Kelly DF. The diagnosis and treatment of periorbital sacoid in the horse 445 cases from 1974 to 1999. Vet Opphthalmol. 2000;3(2-3):169-91. doi: < https://doi.org/10.1046/j.1463-5224.2000.3230169.x>.

37. Rebhun WC. Tumors of the eye and ocular adnexal tissues. Vet Clinics of North Am. Equine Practice 1998;14(3):579-606. doi: .

38. Frauenfelder HC, Blevins WE & Page EH. 90Sr for treatment of periocular squamous cell carcinoma in the horse. J Am Vet Med Assoc. 1982;180(3):307. .

39. Reed SM & Bayly WM. Medicina interna equina. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2000.

40. Berlato D, Serras AR, Matas Riera M, & Rasotto R. Marginal resection and adjuvant strontium plesiotherapy in the management of feline eyelid malignant peripheral nerve sheath tumours: two cases. J Feline Med Surgery Open Reports 2016;2(2):2055116916674863. doi: .

41. Andrade AL, Laranjeira MG, Eugênio FR, Bastos R, Lins BT & Ciarlini LRP. Tratamento de carcinoma de células transicionais em cão tratado por cistectomia particial associada com betaterapia com estrôncio-90. Braz J Residency Animal Sci. 2004;41:141-2. doi: https://doi.org/10.11606/issn.2318-3659.v41isupl.p141-142.

42. Nicklin AM, McEntee MC, & Ledbetter EC. Effects of ocular surface strontium-90 beta radiotherapy in dogs latently infected with canine herpesvirus-1. Vet Microbiol. 2014;174(3-4):433-437. doi: .

43. Raper JR. Techniques of external irradiation with beta rays. 1st Ed. New York: Mcgraw-Hill Book Company; 1951.

44. Murphy L. Ionizing radiation in veterinary medicine. In: Veterinary toxicology 3rd ed. Academic Press; 2018.

45. Stoskopf MK, Brown J & DeVoe R. Imaging in zoological medicine practice. J Radiol Nursing 2012;31(3):81-90. doi: .

46. Moretto AJG & Correa FG. Radioterapia para carcinomas em animais domésticos. Rev Cientif Eletronica Med Vet. 2013;20(1):1-16. Available from: .

47. Mauldin GN & Shiomitsu K. Principles and practice of radiation therapy in exotic and avian species. In Seminars in Avian and Exotic Pet Medicine (WB Saunders) 2005;14(3): 168-74. doi: .

48. Turrel JM, McMillan MC, & Paul-Murphy J. Diagnosis and treatment of tumors of companion birds I. AAV Today 1987;1(3):109-16. doi: .

49. Turrel JM, McMillan MC & Paul-Murphy J. Diagnosis and treatment of tumors of companion birds II. AAV Today, 1987;1(4):159-65. doi: .

50. Bauck LD. A clinical approach to neoplastic disease in the pet bird. Semin Avian Exotic Pet Med. 1992;1(2):65-72.

51. Nemetz LP & Broome M. Strontium-90 therapy for uropygial neoplasia. In: Proc Annu Conf Assoc Avian Vet; 2004. pp. 15-20.

52. Pignon C, Azuma C & Mayer J. Radiation therapy of uropygial gland carcinoma in psittacine species. Assoc. of Avian Veterinarians. Seattle, Washington; 2011.

53. Hernandez-Divers SM & Garner MM. Neoplasia of reptiles with an emphasis on lizards. The Vet Clinics of North America. Exotic Animal Practice 2003;6(1):251-73. doi: .

54. Garner MM, Hernandez-Divers SM & Raymond JT. Reptile neoplasia: a retrospective study of case submissions to a specialty diagnostic service. The Vet clinics of North Am. Exotic Animal Practice, 2004;7(3):653-71. doi: .

55. Gardhouse S, Eshar D, Lee-Chow B, Foster RA, Ingrao JC, & Poirier VJ. Diagnosis and treatment of a periocular myxosarcoma in a bearded dragon (Pogona vitticeps). The Canadian Vet J. 2014;55(7):663. .

56. Friedell HL & Christie JH Synergistic effect of phosphorus32 and colloidal gold198 on survival in male albino rats. Proceedings of the Society for Experimental Biol and Med. 1951;76(2):207-10. doi: .

57. Snider RS & Raper JR. Histopathological effects of single doses of total surface beta radiation on mice. Zirkle RE.-Effects of External Beta Radiation, 1951;1:152-78.

58. Fukuyama K, Bernstein IA & Curtis AC. Effect of beta-radiation on mitotic activity in the skin of the young rat. J Investigative Dermatol. 1959;32(1):39-42. doi: .

59. Brandão J, Blair R, Kelly A, Fowlkes N, Shiomitsu K, Gomes FE., ... & Tully Jr TN. Amelanotic melanoma in the rabbit: a case report with an overview of immunohistochemical characterization. J Exotic Pet Med. 2015;24(2):193-200. doi: .

60. Pereira-Filho GV, Goldenberg S, Novo NF & Simões MJ. Estudo histológico e morfométrico da reparação de feridas cutâneas, provocadas em ratos, submetidas à radiaçäo beta do estrôncio-90. Arquivos Médicos do ABC, 1998;21(1-2). Available from: .
Publicado
13-01-2021
Como Citar
1.
Vettorato M de C, Leite Fogaça J, Canevese Rahal S, Antônio Rodrigues Fernandes M. PRINCÍPIOS E APLICAÇÕES DA BETATERAPIA EM MEDICINA VETERINÁRIA. RVZ [Internet]. 13º de janeiro de 2021 [citado 13º de maio de 2021];28:1-14. Disponível em: https://rvz.emnuvens.com.br/rvz/article/view/443
Seção
Artigos de Revisão