LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA: BREVE REVISÃO E RELATOS DE CASOS

Autores

  • Vanessa Paulino da Cruz Vieira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Norte de Minas Gerais - Campus Salinas https://orcid.org/0000-0003-2276-2623
  • Nathalia Mendes Figueiredo Universidade Federal de Viçosa

DOI:

https://doi.org/10.35172/rvz.2021.v28.577

Palavras-chave:

diagnóstico, tratamento, milteforan, estadiamento, Leishmania infantum

Resumo

A leishmaniose é uma doença causada por um protozoário da espécie Leishmania chagasi. É transmitida pela picada de fêmeas do inseto vetor infectado, um flebotomíneo da espécie Lutzomyia longipalpis, conhecido popularmente como mosquito palha. De ampla distribuição geográfica, o Brasil é responsável por 96% dos casos notificados nas Américas. Trata-se de uma zoonose de evolução crônica, com acometimento sistêmico e, se não tratada, pode levar a óbito até 90% dos casos. No cão, considerado o principal reservatório urbano do agente etiológico, a leishmaniose visceral canina é uma enfermidade que provoca grande sofrimento aos animais acometidos, tutores e contactantes. As manifestações clínicas dependem intrinsecamente do tipo de resposta imunológica apresentada pelo seu hospedeiro, podendo surgir de três meses até vários anos após a infecção e são, por vezes, inespecíficas. O diagnóstico laboratorial da leishmaniose visceral canina baseia-se na tríade de métodos sorológicos, parasitológicos e moleculares e é essencial para o estadiamento da doença e escolha do tratamento adequado. O tratamento possui como principais objetivos reduzir a carga parasitária do cão, neutralizando a sua capacidade infectante, restaurando adequadamente a sua resposta imune, promovendo a melhora clínica e prevenindo recaídas. O objetivo com esse trabalho foi apresentar uma revisão de literatura expositiva acerca dos aspectos epidemiológicos, diagnóstico, controle e manejo da leishmaniose visceral canina e apresentar relatos de casos de animais diagnosticados positivos atendidos em clínica veterinária particular em Belo Horizonte, Minas Gerais, do ponto de vista clínico e parasitológico, que apresentaram recidivas ao tratamento com a droga leishmanicida miltefosina. O acompanhamento dos casos clínicos apresentados possibilitou uma análise do emprego, aplicabilidade e eficiência dos métodos diagnósticos disponíveis para leishmaniose, e dos tratamentos atualmente disponíveis, sendo útil na orientação do médico veterinário na rotina clínica. 

Referências

1. Brasil. Ministério da Saúde. Leishmaniose Visceral: o que é, causas, sintomas, tratamento, diagnóstico e prevenção. Portal do Governo Brasileiro. 2019. Disponível em < http://saude.gov.br/saude-de-a-z/leishmaniose-visceral> Acesso em novembro de 2019.

2. OPAS/OMS. Plan of action to strengthen surveillance and control of leishmaniasis in the americas 2017 – 2022. Pan American Health Organization/World Health Organization – PAHO/WHO. 2017. Disponível em < http://iris.paho.org/xmlui/bitstream/handle/123456789/34147/PlanactionLeish20172022-eng.pdf?sequence=5&isAllowed=y> Acesso em dez. 2019.

3. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de vigilância e controle da leishmaniose visceral / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2006. Disponível em < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_vigilancia_controle_leishmaniose_visceral.pdf> Acesso em fev. 2021.

4. WHO - World Health Organization. Rese arch priorities for Chagas Disease, Human African Trypanosomiasis and Leishmaniasis. Technical report series ; no. 975. Geneva: WHO, 2012. Disponível em < https://apps.who.int/iris/handle/10665/77472> Acesso em fev. 2021.


5. Dantas-Torres, F. The role of dogs as reservoirs of Leishmania parasites, with emphasis on Leishmania (Leishmania) infantum and Leishmania (Viannia) braziliensis. Veterinary Parasitology, v. 149, p. 139–146, 2007. Disponível em < https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0304401707003597> Acesso em fev. 2021.

6. Machado CJS, Silva EG, Vilani RM. O uso de um instrumento de política de saúde pública controverso: a eutanásia de cães contaminados por leishmaniose no Brasil. Saude soc. 25 (1) Jan-Mar 2016. Disponível em <https://doi.org/10.1590/S0104-12902016146918 < https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-12902016000100247&script=sci_abstract&tlng=pt> Acesso em fev. 2021.

7. Lima CC.; Grisotti, M. Relação humano-animal e leishmaniose: repercussões no cotidiano de indivíduos inseridos em região endêmica. Artigos Saude soc. 27 (4) Oct-Dec 2018. Disponível em <https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-12902018000401261&script=sci_abstract&tlng=pt> Acesso em fev. 2021.

8. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de Vigilância em Saúde : volume 3 / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. 1. ed. atual. Brasília : Ministério da Saúde, 2017. Disponível em <https://antigo.saude.gov.br/images/pdf/2017/setembro/05/Guia-de-Vigilancia-em-Saude-2017-Volume-3.pdf> Acesso em fev. 2021.

9. Castanheira ARF. A farmacoeconomia aplicada à medicina veterinária: análise de custos comparada entre o tratamento e a vacinação da leishmaniose canina. Dissertação de mestrado integrado em medicina veterinária. Universidade de Lisboa. Lisboa, 2013. Disponível em <http://biblioteca.phorteeducacional.com.br/items/1152830> Acesso em fev. 2021.

10. Silva FS. Patologia e patogênese da leishmaniose visceral canina. Revista Trópica – Ciências Agrárias e Biológicas V.1, n. 1, p. 20, 2007. Disponível em <https://www.researchgate.net/profile/Francinaldo-Silva/publication/220000420_Patologia_e_patogenese_da_leishmaniose_visceral_canina/links/54610d070cf2c1a63bff7bdb/Patologia-e-patogenese-da-leishmaniose-visceral-canina.pdf > Acesso em fev. 2021.

11. Zuben APB, Donalísio MR. Dificuldades na execução das diretrizes do Programa de Vigilância e Controle da Leishmaniose Visceral em grandes municípios brasileiros. Cad. Saúde Pública 32 (6) 20. Jun 2016 https://doi.org/10.1590/0102-311X00087415. Disponível em <https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-311X2016000600401&script=sci_abstract&tlng=pt> Acesso em fev. 2021.

12. Silva JD et al. Leishmaniose visceral em cães de assentamentos rurais. Pesq. Vet. Bras. 37(11):1292-1298, novembro 2017a. Disponível em < https://www.scielo.br/pdf/pvb/v37n11/1678-5150-pvb-37-11-01292.pdf> Acesso em fev. 2021.

13. Andre LPP, Fonseca ZAA, Ribeiro WLC. Análise dos casos de leishmaniose humana e sua relação com a eutanásia de animais recolhidos pelo centro de controle de zoonoses de Mossoró RN. Revista Brasileira de Higiene e Sanidade Animal,v.7, n.2. p. 212 – 224, 2013. Disponível em <https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5203823> Acesso em fev. 2021.

14. Laurenti MD. Correlação entre o diagnóstico parasitológico e sorológico na leishmaniose visceral americana canina. BEPA, Bol. epidemiol. paul. (Online) v.6 n.67 São Paulo jul. 2009. Disponível em <http://periodicos.ses.sp.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-42722009000700002&lng=pt&nrm=iso> Acesso em fev. 2021.

15. Faria AR, Andrade HM. Diagnóstico da Leishmaniose Visceral Canina: grandes avanços tecnológicos e baixa aplicação prática. Rev Pan-Amaz Saude, 3(2):47-57. 2012. Disponível em <http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S2176-62232012000200007&lng=pt&nrm=iso> Acesso em fev. 2021.

16. Solano-Gallego et al. LeishVet guidelines for the practical management of canine leishmaniosis. Parasites Vectors 4, 86.. doi:10.1186/1756-3305-4-86. 2011. Disponível em <https://parasitesandvectors.biomedcentral.com/articles/10.1186/1756-3305-4-86> Acesso em fev. 2021.

17. Laurenti MD. Patologia e patogenia das leishmanioses. Tese. Universidade de São Paulo, 2010. Disponível em <https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/livredocencia/10/tde-26112010-105228/publico/Tese_LD_Marcia_Dalastra_Laurenti_2010_A.pdf> Acesso em fev. 2021.

18. Tabanez P, Ribeiro V. Estadiamento e Tratamento da LVC. Brasileish. 2017.> Disponível em < https://www.brasileish.com.br/assets/files/brasileish18_12_2017.pdf> Acesso em nov. 2019.

19. BRASILEISH. Diretrizes para o diagnóstico, estadiamento, tratamento e prevenção da leishmaniose canina. Diretrizes. Brasileish. 2018. Disponível em < https://www.brasileish.com.br/diretrises.html> Acesso em nov. 2019.

20. Hinterberger-Fischer M. Prolactin as pro-inflammatory cytokine – considerations on consolidated immunotherapy after high dosage therapy. Acta Medica Austriaca Supplement, v. 52, p. 16-20, 2000. Disponível em <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/11261272/> Acesso em fev. 2021.

21. Passos SR. Tratamento clínico da leishmaniose tegumentar americana canina com furazolidona e domperidona. Dissertação. Universidade Federal do Espírito Santo, 2014. Disponível em <https://repositorio.ufes.br/handle/10/7781> Acesso em fev. 2021.

22. Brites MG. Trombocitopenia Imunomediada em Cães – Revisão Bibliográfica e Relato de Casos. Monografia. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2007. Disponível em <https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/13361> Acesso em fev. 2021.

23. Ginel PJ et al. Use of allopurinol for maintenance of remission in dogs with leismaniasis. J. of Small Animal Practice, 39, 271-274.1998. Disponível em <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/9673902/> Acesso em fev. 2021.

24. Oliveira AC, Antonio NA, Piccinin A. Controle e tratamento da leishmaniose visceral canina. REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA – ISSN: 1679-7353. Ano VI – Número 10. Janeiro de 2008. Disponível em <http://faef.revista.inf.br/imagens_arquivos/arquivos_destaque/filaqiOy9mWp4ki_2013-5-29-10-36-13.pdf> Acesso em fev. 2021.

25. Fonseca Júnior JD. Casuísticas de cães atendidos com leishmaniose no hospital veterinário do centro universitário luterano de palmas durante o período de agosto a dezembro de 2018. TCC. Centro Universitário Luterano de Palmas. Palmas. 2019. Disponível em <encurtador.com.br/acpuI> Acesso em fev. 2021.

26. Soares-Bezerra R, Leon L, Genestra M, Braz J. Recentes avanços da quimioterapia das leishmanioses: moléculas intracelulares como alvo de fármacos. Rev. Bras. Cienc. Farm vol.40, n.2, pp.139-149. ISSN 1516-9332. 2004. Disponível em <https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1516-93322004000200003&script=sci_abstract&tlng=pt> Acesso em fev. 2021.

27. Soares-Bezerra R, Leon L, Genestra M, Braz J. Recentes avanços da quimioterapia das leishmanioses: moléculas intracelulares como alvo de fármacos. Rev. Bras. Cienc. Farm vol.40, n.2, pp.139-149. ISSN 1516-9332. 2004. Disponível em <https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1516-93322004000200003&script=sci_abstract&tlng=pt> Acesso em fev. 2021.

28. Nery G. Avaliação da infectividade parasitária a Lutzomyia longipalpis por xenodiagnóstico em cães tratados para leishmaniose visceral naturalmente adquirida. Pesq. Vet. Bras. 37(7):701-707, julho 2017. DOI: 10.1590/S0100-736X2017000700009. Disponível em < https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-736X2017000700701&script=sci_abstract&tlng=pt> Acesso em fev. 2021.

29. Vides JP, Moraes LRS. Tratamento da Leishmaniose visceral canina com miltefosina – relatos de casos. Revista de Educação Continuada em Medicina Veterinária e Zootecnia do CRMV-SP, v. 16, n. 3, p. 80-80, 11 dez. 2018. Disponível em < https://www.revistamvez-crmvsp.com.br/index.php/recmvz/article/view/37830> Acesso em fev. 2021.

30. Dantas-Torres F, Brito ME, Brandão-Filho SP. Seroepidemiological survey on canine leishmaniasis among dogs from an urban area of Brazil. Veterinary Parasitology, v. 140, p. 54-60, 2006. Disponível em < https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/16621286/> Acesso em fev. 2021.

31. Marcondes M, Vasconcellos SA. Leishmaniose Visceral. Leishamniose - Serie Zoonoses. 2019. Disponível em < https://www.crmvsp.gov.br/arquivo_zoonoses/LEISHMANIOSE_SERIE_ZOONOSES.pdf>. Acesso em nov. 2019.

32. Mancianti F, Pedonese F, Poli A. Evaluation of dot enzyme-linked immunosorbent assay (dot-ELISA) for the serodiagnosis of canine leishmaniosis as compared with indirect immunofluorescence assay. Veterinary Parasitology.65:1-9. 1996. Disponível em < https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/0304401796009466> Acesso em fev. 2021.

33. Diniz PPV. Miocardite em cães com erliquiose monocítica. Tese. Universidade Estaudal Paulista. Botucatu. 2006. 136 f Disponível em < https://bv.fapesp.br/pt/dissertacoes-teses/4023/miocardite-em-caes-com-erliquiose-monocitica> Acesso em fev. 2021.

34. Sousa KCM. Co-infecção por ehrlichia canis, leishmania chagasi e babesia canis em cães naturalmente infectados em campo grande, mato grosso do sul. Dissertação... Faculdade de Ciências Vterinárias. UNESP. 2012. Disponível em < https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/96002/sousa_kcm_me_jabo.pdf?sequence=1> Acesso em novembro de 2019.

35. Gontijo CM, Melo MN. Leishmaniose Visceral no Brasil: quadro atual, desafios e perspectivas. Rev Bras Epidemiol. 7(3):338-49. 2004, DOI:10.1590/S1415-790X2004000300011 Disponível em < https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/8916395/> Acesso em fev. 2021.

36. Schimming BC. Leishmaniose Visceral Canina – Revisão de Literatura. Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária, ano X, número 19 – ISSN: 1679-7353. 2012. Disponível em < http://faef.revista.inf.br/imagens_arquivos/arquivos_destaque/QKOIwlDa047cxSZ_2013-6-24-15-1-25.pdf> Acesso em fev. 2021.

37. Araújo CMC, Costa AS, Risso JMR. Uso da miltefosina como terapia combinada em Leishmaniose Visceral Canina – relato de caso. Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.15 n.27. 2018. Disponível em < http://clyde.dr.ufu.br/handle/123456789/24499> Acesso em fev. 2021.

38. Campillo, MC et al. Parasitología Veterinaria. 1ª edição, pp.651-665. Madrid: McGraw-Hill Interamericana. 1999. In MARQUES, M. I. M. Leishmaniose Canina. Dissertação (Mestrado Integrado em Medicina Veterinária) – Universidade Técnica em Lisboa, Lisboa, 2008. Disponível em < https://www.repository.utl.pt/handle/10400.5/950> Acesso em fev. 2021.

Downloads

Publicado

2021-10-05

Como Citar

1.
Paulino da Cruz Vieira V, Mendes Figueiredo N. LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA: BREVE REVISÃO E RELATOS DE CASOS. RVZ [Internet]. 5º de outubro de 2021 [citado 26º de maio de 2024];28:1-12. Disponível em: https://rvz.emnuvens.com.br/rvz/article/view/577

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)