A pesquisa e o pesquisador

  • Helio Langoni
Palavras-chave: editorial

Resumo

Fruto da pesquisa, editamos novo número da Revista “Veterinária e Zootecnia”. Ser
pesquisador significa necessariamente, ser inovador e ter conhecimento. O conhecimento se
adquire e se inova por meio da pesquisa. Tanto os professores universitários como os
pesquisadores, vinculados às instituições de pesquisa são portadores do capital intelectual e
responsáveis pela reprodução do conhecimento, cujo caminho é o da pesquisa.
É necessário, portanto, possuir uma competência inovadora e buscar o fundamento
principal da pesquisa, que é a produção do conhecimento novo e relevante. O êxito da
pesquisa depende de fatores como: criatividade, disciplina, organização e modéstia. A
pesquisa baseia-se no confronto entre o possível e o impossível, entre o conhecimento e a
ignorância, entendendo-se esta última como um não saber. Há muitas coisas que não sabemos,
pois é impossível ser detentor de todo o conhecimento, e é necessário reconhecer o quanto se
sabe.
Desta forma, se não sabemos se algo é ou não é importante, temos que procurar e é
preciso saber pesquisar, e ir em busca do conhecimento, fato fundamental, nos dias atuais.
Tem que haver o conceito que nenhuma pesquisa é totalmente controlável, com início, meio e
fim previsíveis. Pode-se considerar a pesquisa como uma viagem de aventuras, pois podemos
saber de onde partimos, quando e como, mas onde e quando chegaremos, é mais difícil de se
prever.
No processo de investigação científica, muitas vezes pensa-se no caminho ou
metodologia ideal, mas de repente há um obstáculo que pode ser intransponível e há
necessidade de replanejar, redirecionar e substituir métodos. Os resultados podem ser
satisfatórios e coerentes, ou descobrimos que não tem valor algum, ou pouco valor diante ao
que estamos propondo. Esses fatos fazem parte do processo da pesquisa, e é necessário saber
quando se deve recuar, quando dar a volta, mas para tanto é preciso conhecer metodologia e
saber pesquisar.
E o pesquisador onde fica? Ele é o intérprete da realidade pesquisada e novamente ele
tem que possuir o domínio metodológico e do conhecimento sobre o assunto pesquisado, para
poder interpretar os resultados obtidos. Esse processo se inicia na iniciação científica, já no
primeiro ano da graduação e será constante independente da titulação. Há um crescimento no
saber ou volume de conhecimentos, entretanto, o olhar científico é adquirido no aprendizado,
que consideramos evoluir com a nossa existência e lucidez.
Em ciência não há uma verdade absoluta, definitiva. Todas as verdades científicas são
relativas, provisórias e permitem o questionamento. Esse paradigma leva a definição que
pesquisar é interrogar a realidade. É com essa filosofia que a Revista “Veterinária e
Zootecnia” caminha e traz nesse número vários artigos referentes a diferentes áreas da
Medicina Veterinária e Zootecnia, de forma a contribuir para maior visibilidade da pesquisa e
ciência brasileira.
O êxito da Revista está nas mãos da comunidade científica a quem agradecemos, pelo
interesse neste veículo de publicação, bem como do corpo editorial e de seus assessores que
criteriosamente auxiliam para melhorar a qualidade dos textos, quando pertinente.
Agradecemos também todos da assessoria técnica nas avaliações do português, inglês e
espanhol, na normatização bibliográfica, formatação e editoração.

Publicado
30-06-2016
Como Citar
Langoni, H. (2016). A pesquisa e o pesquisador. Veterinária E Zootecnia, 13(1), 6-6. https://doi.org/10.35172/rvz.2006.v13.247
Seção
Editorial