Monitoramento da qualidade do leite

Procedimentos diagnósticos

  • Marcela Pinho Manzi
  • Helio Langoni
Palavras-chave: leite, bovino, qualidade, métodos de diagnóstico

Resumo

Entende-se por leite, sem outra especificação, o produto oriundo da ordenha completa e
ininterrupta, em condições de higiene, de vacas sadias, bem alimentadas e descansadas. O
leite de outros animais deve denominar-se segundo a espécie de origem. Uma das principais
características que define a aceitação do leite é o conjunto de suas características sensoriais,
sendo as principais o sabor e aroma. O controle da qualidade do leite no Brasil tem sido fator
importante para a consolidação de toda cadeia produtiva, passando, necessariamente, pelas
indústrias de laticínios. A produção de leite de boa qualidade garante, certamente, a segurança
alimentar dos consumidores. As medidas para a obtenção de leite de qualidade se iniciam na
propriedade, na realização de procedimentos corretos, na ordenha, no armazenamento e
também no transporte do produto ao laticínio. Posteriormente, na avaliação laboratorial das
propriedades físico químicas, investigação de fraudes, e realização de exames
microbiológicos. Por fim, medidas de educação sanitária são necessárias para que os
produtores se conscientizem dos benefícios econômicos com a obtenção de leite de melhor
qualidade. O objetivo desta revisão é ressaltar a importância da utilização de procedimentos
diagnósticos, para o controle de mastites e a consequente obtenção de leite de melhor
qualidade.

Referências

1. Instrução Normativa 51, de 18 de Setembro de 2002. Aprova os regulamentos técnicos de
produção, identidade e qualidade do leite tipo cru refrigerado e o regulamento técnico da
coleta de leite cru refrigerado e seu transporte a granel, em conformidade com os anexos a
esta instrução normativa. Diário Oficial da União. 18 Set 2002; Sec. I, p.13.
2. Acuri EF, Brito JRF, Brito MAVP. Sabor e aroma: como preservar. Balde Branco
[Internet]. 2005 [cited 2011 Sept 26];40(489A):62-4. Available from:
http://www.laticinio.net/inf_tecnicas.asp?cod=66.
3. Sa E. Análises para detectar fraudes em leite. Leite Derivados. 2004;78.
4. Silva RCB, Barbosa SBP, Andrade AC, Silva AM, Silva CX, Mauricio EA, et al.
Análises físico-químicas para determinação da qualidadeem leite cru. In: Anais da 10a
Jornada de Ensino, Pesquisa e Extensão – JEPEX; 2010; Recife. Recife: UFRPE; 2010.
5. Ribeiro MER, Petrini LA, Aita MF, Balbinotti M, Stumpf Jr W, Gomes JF, et al. Relação
entre mastite clínica, subclínica infecciosa e não infecciosa em unidades de produção
leiteiras na região sul do rio grande do sul. Rev Bras Agrocienc. 2003;9(3):287-90.
6. Fagundes H, Oliveira CAF. Infecções intra-mamárias causadas por Staphylococcus
aureus e sua implicações em saúde pública. Cienc Rural. 2004;3(4):1315-20.
7. Schreiner DA, Ruegg PL. Relationship between udder and leg hygiene scores and
subclinical mastitis. J Dairy Sci. 2003;86(11):3460-5.
8. Manzi MP, Nobrega DB, Faccioli PY, Troncarelli MZ, Menozzi BD, Langoni H.
Relationship between teat-end condition, udder cleanliness and bovine subclinical
mastitis. Res Vet Sci. 2011;93(1):430-4.
9. Neijenhuis F, Barkema HW, Hogeveen H, Noordhuizen JPTM. Classification and
longitudinal examination of callused teat ends in dairy cows. J Dairy Sci.
2000;83(12):2795-804.
10. Schreiner DA, Ruegg PL.. Effects of tail docking on milk quality and cow cleanliness. J
Dairy Sci. 2002;85(10):2503-11.
11. Schalm OW, Noorlanderd D. Experiments and observations leading to development of
the California Mastitis Test. J Am Vet Med Assoc. 1957;130(5):199-204.
12. Xia SZ. The rheology of gel formed during the California Mastitis Test [dissertation].
Hamilton: The University of Waikato; 2006.
13. Blowey R, Edmondson P. Mastitis control in dairy herds. 2nd ed. Winslow: Butler Tanner
e Dennis; 2010.
14. Blowey R, Edmondson P, Davis J. Bacterial counts in bulk milk - an update. In
Practice 1999; 21:531-535.
15. Radostits M, Gay C, Blood C, Hinchcliff W. Clinica veterinária: um tratado de doenças
dos bovinos, ovinos, suínos, caprinos e eqüinos. 9a ed. Rio de Janeiro: Guanabara
Koogan; 2002.
16. Murray PR, Rosenthal KS, Pfaller MA, Kobayashi GS. Microbiologia médica. 4a ed. Rio
de Janeiro: Guanabara Koogan; 2004.
17. Moura RA, Purchio A, Wada CS, Almeida TV. Técnicas de laboratório. 3a ed. Rio de
Janeiro: Atheneu; 2006.
18. Frazier WC, Westhoff DC. Microbiologia de los alimentos. 4a ed. Zaragoza: Acribia;
2000.
19. Ávila CR, Gallo CR. Pesquisa de Salmonella spp. em leite cru, leite pasteurizado tipo C e
queijo "minas frescal" comercializados no município de Piracicaba – SP. Sci Agric.
1996;53(1).
20. Nojimoto ITI, Souza SR, Valadão LM. Ocorrência de Listeria spp em crianças da cidade
de Goiânia-Goiás. Rev Bras Anal Clin. 1997;29(2):73-4.
21. Franco BDGH, Landgraf M. Microbiologia de alimentos. São Paulo: Atheneu; 1996.
22. Koneman EW, Allen SD, Janda WM, Schreckenberger PC, Winn WC. Color atlas and
textbook microbiology. 5th ed. Philadelphia: Lippincott Company; 1997.
23. Franco BDGM. Microbiologia dos alimentos. 2a ed. São Paulo: Atheneu; 2003.
24. Schukken YH, Wilson DJ, Welcome F, Garrison-Tikofsky L, Gonzalez RN. Monitoring
udder health and milking quality using somatic cell counts. Vet Res. 2003;34(5):579-96.
25. Vieira LC, Kaneyoshi CM, Freitas H. Qualidade do leite. In: Veiga, J.B. da., Criação de
gado leiteiro na zona Bragantina. Belém: Embrapa Amazônia Oriental, 2005.
26. Martins JLS, Martins IS. Inibidores bacterianos no leite tipo “B” comercializado no
município de São Paulo,SP (Brasil). Rev Saude Publica. 1985;19(5):421-30.
27. Ministério da Agricultura (BR). Secretaria Nacional de Defesa Agropecuária. Laboratório
Nacional de Referência Animal. Métodos analíticos oficiais para controle de produtos de
origem animal e seus ingredientes: métodos físicos e químicos. Brasília: Ministério da
Agricultura; 1981. v.2, p.1-5.
28. Milagres MP. Desenvolvimento de metodologia analítica para determinação da
concentração real de ácido lático em leite por cromatografia liquida de alta eficiência:
exclusão de íons [dissertação]. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa; 2008.
29. Castanheira ACG. Manual básico de controle de qualidade de leite e derivados. São
Paulo: Cap Lab; 2010.
30. Decreto 30.691, de 7 de Julho de 1952. Regulamento de inspeção industrial e sanitária de
produtos de origem animal (RIISPOA). Brasília: Ministério da Agricultura, Pecuária e
Abastecimento. Diário Oficial da União. 7 Jul 1952; Sec 1, p.10785.
31. BRASIL. Ministério da Agricultura. Departamento Nacional de Inspeção de Produtos de
Origem Animal. Métodos analíticos oficiais para controle de produtos de origem
animal e seus ingredientes: II-Métodos físico-químicos. Brasília: Ministério da
Agricultura, 1981. 174 p.
32. Venturini KS, Sarcinelli MF, Silva LC. Características do leite. Bol Tec PIE-UFES.
2007:01007.
33. Rodrigues R, Fonseca LM, Souza MR. Acidez do leite. Cad Tec Esc Vet UFMG.
1995;13:63-72.
34. Prata LF. Fundamentos de ciência do leite. Jaboticabal: FUNEP/UNESP; 2001
35. Feltrin CW, Mello AMS, Santos JGR, Marques MV, Seibel NM, Fontoura LAM.
Sulfadimethoxyne quantification in milk by high performance liquid chromatography.
Quim Nova [Internet]. 2007 [cited 2008 Feb 5];30(1):80-2. Available from:
http://www.scielo.br/scielo.php? script=S01 004042200700010008&Ing=en&nrm=iso.
36. Nascimento GGF, Maestro V, Campos MSP. Ocorrência de resíduos de antibióticos no
leite comercializado em Piracicaba, SP. Rev Nutr. 2001;14(2):119-24.
37. Cavalcanti ERC. Fatores que interferem na qualidade do leite [Internet]. Urutaí: CEFET;
2006 [cited 2011 Sept 30]. Available from:
http://www.ifgoiano.edu.br/urutai/documentos/publicacoes/artigo_leite.pdf.
Publicado
30-06-2017
Como Citar
Pinho Manzi, M., & Langoni, H. (2017). Monitoramento da qualidade do leite: Procedimentos diagnósticos. Veterinária E Zootecnia, 24(2), 246-255. https://doi.org/10.35172/rvz.2017.v24.305
Seção
Artigos de Revisão