Agricultura familiar e sanidade animal

Palavras-chave: Agricultura familiar, saúde única, sanidade animal.

Resumo

A agricultura familiar é caracterizada como agricultura de subsistência e de pequena produção, seguindo alguns critérios como, tipo de exploração, renda e área total utilizada de até quatro módulos fiscais. Este seguimento rural limita a receita financeira anual da unidade familiar, baseado no número de empregados que podem ser contratados para completar a mão-de-obra familiar, que deve ser predominante. Vem se observando um aumento de maior interesse pela atividade, permitindo a manutenção de pequenos produtores nas atividades agrícolas. A grande maioria do processo produtivo na agricultura familiar está relacionada a propriedades normalmente de menor porte e estrutura, com conceitos mais simples. Sob essa ótica, é de suma importância avançar nesse segmento para o estímulo à prática do conceito de “Saúde Única” (One Health), que se relacionam ao ser humano, aos animais e ao meio ambiente, que se interagem, com o objetivo final a saúde coletiva, e a sanidade animal, com o objetivo de controlar a ocorrência de zoonoses importantes como a brucelose, tuberculose, raiva, e leptospirose.

Referências

Guanziroli CE, Cardim SECS. Novo retrato da agricultura familiar: o Brasil redescoberto. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, INCRA, Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária; 2000.

Esquerdo-Souza VF, Bergamasco SMPP. Políticas públicas para a agricultura familiar brasileira: um estudo sobre o PRONAF nos municípios do circuito das frutas - SP. Ext Rural. 2015;22(1):9-35.

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Agrário. Agricultura familiar no Brasil e o censo agropecuário 2006. Brasília: MDA; 2007.

Plein C, Filippi EE. Capitalismo, agricultura familiar e mercados. Redes. 2011;16(3):98-121.

De Paula MM, Kamimura QP, Silva, JLG. Mercados institucionais na agricultura familiar: dificuldades e desafios. Rev Polit Agric. 2014(1):33-43.

Bisi P. Agricultura familiar encerra 2013 com recordes e define novas metas no ano internacional do setor. RECoDAF; 2014.

Bonadio LF, Tupy O, Rodrigues GS, Rodrigues IA, Camargo AC. Impacto social de inovações tecnológicas na agricultura familiar: tecnologias para produção de leite. São Carlos: Embrapa Pecuária Sudeste; 2005.

Food and Agriculture Organization of the United Nations. FAOSTAT [Internet]. Roma: FAO; 2019 [cited 2019 Mar 26]. Available from: http://www.fao.org/faostat/en/#data/QL

Kruger SD, Ceccato L, Mazzioni S, Domenico DD, Petri SM. Análise comparativa da viabilidade econômica e financeira das atividades avícola e leiteira. Rev Ambient Contab. 2017;9(1):37-55.

Camargo RAL, Oliveira JTA. Agricultura familiar, multifuncionalidade da agricultura e ruralidade: interfaces de uma realidade complexa. Cienc Rural. 2012;42(9):1707-14.

Seimenis AM. The spread of zoonoses and other infectious diseases through the international trade of animals and animal products. Vet Ital. 2008;44:591-9.

Vallat B, Wilson D. Les obligations des Pays Membres de l’OIE (Organisation mondiale de la santé animale) en matière d’organisation de leurs Services vétérinaires. Rev Sci Tech. 2003;22:553-9.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Sistema IBGE de recuperação automática–SIDRA [Internet]. Rio de Janeiro: IBGE; 2019 [cited 2019 Mar 26]. Available from: http://www.sidra.ibge.gov.br/

Ladeira MM. Cenário da bovinocultura: guia de estudos. Lavras: UFLA; 2015.

Silva GSL, Silva JB. A importância da definição de um modelo de negócio na pecuária leiteira para a escolha da estratégia de comercialização. Rev Adm Sul Pará. 2016;3(2):49-67.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo agropecuário 2006: agricultura familiar: primeiros resultados: Brasil, grandes regiões e unidades da federação. Rio de Janeiro: IBGE; 2009.

Gonçalves ACS, Roma Júnior LC, Fonseca MI, Nadruz BV, Bürger KP, Rossi GAM. Assistência técnica e extensão rural: sua importância para a melhoria da produção leiteira. Rev Bras Hig Sanidade Anim. 2014;8(3):47-61,

Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada. PIB do agronegócio: valores do PIB do agronegócio brasileiro, 1994 a 2009 [Internet]. Piracicaba: Cepea; 2009 [cited 2019 Mar 27]. Available from: http://www.cepea.esalq.usp.br/pib/other/Pib_Cepea_1994_2009. xls

Giordano JO, Fricke PM, Wiltbank MC, Cabrera VE. An economic decision-making support system for selection of reproductive management programs on dairy farms. J Dairy Sci. 2011;94(12):6216-32.

Lopes MA, Almeida Júnior GA, Carvalho FM. Rentabilidade de um sistema de produção de leite tipo B: um estudo de caso com a raça Jersey, no Estado de São Paulo. Rev Econ Rural. 2003;2(2):215-21.

Brown C. Virchow revisited: emerging zoonoses. ASM News. 2003;69(10):493-7.

Megid J. Brucelose . In: Megid J, Ribeiro J, Paes AC. Doenças infecciosas em animais de produção e de companhia. 1a ed. Rio de Janeiro: Roca; 2016. p. 512-42.

Lage AP, Poester FP, Paixão TA, Silva TMA, Xavier MN, Miranda KL, et al. Brucelose bovina: uma atualização. Rev Bras Reprod Anim. 2008;32(3):202-12.

Paulin LM. Brucelose. Arq Inst Biol. 2003;70(2):239-49.

Instrução Normativa SDA nº 10, de 3 de Março de 2017. Estabelece o Regulamento Técnico do Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e da Tuberculose Animal - PNCEBT e a Classificação das Unidades da Federação de acordo com o grau de risco para as doenças brucelose e tuberculose, assim como a definição de procedimentos de defesa sanitária animal a serem adotados de acordo com a classificação. Brasília: MAPA; 2017.

.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e da Tuberculose Animal (PNCEBT). Brasília, DF: MAPA, DAS, DAS; 2006.

Coburn J, Evangelista KV. Leptospira as an emerging pathogen: a review of its biology, pathogenesis and host immune responses. Future Microbiol. 2010;5(9):1413-25.

Adler B, Bolim C, Faine S, Perolat P. Leptospira and leptospirosis. 2nd ed. Melbourne: MediSci; 1999.

Lilenbaum W, Martins G. Leptospirosis in cattle: a challenging scenario for the understanding of the epidemiology. Transbound Emerg Dis. 2014:61(1):63-8.

Figueiredo AO, Pellegrin AO, Gonçalves VSP, Freitas EB, Monteiro LARC, Oliveira JM, et al. Prevalência e fatores de risco para a leptospirose em bovinos de Mato Grosso do Sul. Pesqui Vet Bras. 2009;29(5):375-81.

Dhaliwal GS, Murray RD, Dobson H, Montgomery HJ, Ellis WA. Effect of vaccination against Leptospira interrogans serovar hardjo on milk production and fertility in dairy cattle. Vet Rec. 1996;138(14):334-5.

Bolin CA, Thiermann AB, Handsaker AL, Foley JW. Effect of vaccination with a pentavalent leptospiral vaccine on Leptospira interrogans serovar hardjo type hardjo-bovis infection on pregnant cattle. Am J Vet Res. 1989;50(1):161-5.

Abrahão RMCM. Tuberculose humana causada pelo Mycobacterium bovis: considerações gerais e a importância dos reservatórios animais [dissertação]. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo; 1998.

Souza AV, Souza CFA, Souza RM, Ribeiro RMP, Oliveira AL. A importância da tuberculose bovina como zoonose. Hig Aliment. 1999;13(59):22-7.

Lilenbaum W. Atualização em tuberculose bovina. Rev Bras Med Vet. 2000;22(4):145-51.

Pinto PSA. Atualização em controle da tuberculose no contexto da inspeção de carnes. Biosci J. 2003;19(1):115-21.

Pritchard DG. A century of bovine tuberculosis 1888-1988: conquest and controversy. J Comp Pathol. 1988;99(4):357-99.

Publicado
09-10-2019
Como Citar
barcellos, R. R., Jamas, L. T., Menozzi, B. D., & Langoni, H. (2019). Agricultura familiar e sanidade animal. Veterinária E Zootecnia, 26, 1-9. https://doi.org/10.35172/rvz.2019.v26.365
Seção
Artigos de Revisão