Anemia infecciosa equina

  • Marília Masello Junqueira Franco
  • Antônio Carlos Paes
Palavras-chave: AIE, equinos, IDGA, controle

Resumo

A Anemia Infecciosa Equina (AIE) é uma doença viral crônica, causada por um vírus da família Retroviridae, gênero Lentivirus, limitada a equinos, asininos e muares, caracterizada por episódios periódicos de febre, anemia hemolítica, icterícia, depressão, edema e perda de peso. A AIE gera embargos ao trânsito de equídeos, além de interferir nos eventos esportivos equestres, assumindo assim uma relevância econômica considerável. O agente é transmitido primariamente por picadas de tabanídeos (Tabanus sp.) e moscas dos estábulos (Stomoxys calcitrans) sendo estes apenas vetores mecânicos. Os principais reservatórios da enfermidade são os portadores inaparentes do vírus, principalmente em tropas que não sofrem monitoramento sorológico periódico. A transmissão é mais comum nas épocas mais quentes do ano e em regiões úmidas e pantanosas. A prova da imunodifusão em gel de Agar (IDGA) é considerada o teste padrão-ouro. No Brasil, os laboratórios e técnicos interessados em realizar o diagnóstico devem ser cadastrados no Ministério da Agricultura. As medidas de controle para limitar a disseminação do vírus se baseiam principalmente em testes sorológicos de rotina e na remoção dos animais reagentes do plantel, além da restrição ao deslocamento de animais, do teste dos novos animais a serem introduzidos nas tropas, do controle da população de vetores e do não compartilhamento de seringas, agulhas e outros utensílios que possam ser veículo de células infectadas. No Brasil, os animais positivos no teste de IDGA devem ser sacrificados, conforme estabelecido pelo Programa Nacional de Sanidade dos Equídeos do Ministério da Agricultura. O estudo dos aspectos biológicos, epidemiológicos e profiláticos da doença se apresenta fundamental para o controle desta enfermidade e, consequentemente para o sucesso da equinocultura de qualquer país ou região onde a mesma se faz presente.

Referências

1. Carlson GP. Doenças dos sistemas hematopoiético e hemolinfático. In: Smith BP, editor. Medicina interna de grandes animais. 3ª ed. Barueri: Editora Manole Ltda; 2006. p.103984.
2. Ravazzolo AP, Costa UM. Retroviridae. In: Flores EF, editor. Virologia veterinária. Santa Maria: Editora UFSM; 2007. p.809-38.
3. Sellon DC, Fuller FJ, Mcguire TC. The imunopathogenesis of equine infectious anemia virus. Virus Res. 1994;32:111-38.
4. Murphy FA, Gibbs EPJ, Horzinek MC, Studdert MJ. Veterinary virology. 3ª ed. San Diego: Academic Press; 1999.
5. Quinn PJ, Markey BK, Carter ME, Donnelly WJ, Leonard FC. Retroviridae. In: Microbiologia veterinária e doenças infecciosas. 2ª ed. Porto Alegre: Editora Artmed; 2005. p.346-58.
6. Radostits OM, Gay CC, Blood DC, Hinchcliff KW. Veterinary medicine. 9ª ed. New York: WB Saunders; 2000.
7. Sellon DC. Emerging infectious diseases. In: Proceedings of the European Veterinary Conference Voorjaarsdagen; 2008, Amsterdam. Amsterdam: International Veterinary Information Service; 2008. p. 292-3.
8. Center for Food Security & Public Health, College of Veterinary Medicine. Animal disease factsheets. Iowa State University: EIA; 2005 [cited 2008 Oct 25]. Available from: .
9. Nagarajan MM, Simard C. Detection of horses infected naturally with equine infectious anemia virus by nested polymerase chain reaction. J Virol Methods. 2001; 94:97-109.
10. Del Piero F. Infectious diseases – part I and II. In: Proceedings of the Annual Meeting of the Italian Association of Equine Veterinarians and Proceedings of the 14º Congress of the Societá Italiana Veterinari per Equini and Veterinary European Equine Meeting; 2008, Veneza. Veneza: SIVE; 2008. p. 24-41.
11. Searcy GP. Sistema hemopoético. In: Carlton WW, Mcgavin MD. Patologia veterinária especial de Thomson. 2ª ed. Porto Alegre: Editora Artmed; 1998. p.305-52.
12. Tizard IR. Imunologia veterinária: uma introdução. 6ª ed. São Paulo: Roca; 2002.
13. Confer AW, Panciera RJ. Sistema urinário. In: Carlton WW, Mcgavin MD. Patologia veterinária especial de Thomson. 2ª ed. Porto Alegre: Editora Artmed; 1998. p.228-65.
14. Rivera JA, Mcguire TC. Equine infectious anemia virus-infected dendritic cells retain antigen presentation capability. Virology. 2005;(335):145-54.
15. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento: Programa Nacional de Sanidade dos Equídeos. Brasília; 2008 [cited 2008 Oct 25]. Available from:
16. Murakami K, Sentsui H, Shibahara T, Yokoyama T. Reduction of CD4. and CD8. T lymphocytes during febrile periods in horses experimentally infected with equine infectious anemia virus. Vet Immunol Immunopathol. 1999;(67):131-40.
17. Alvarez I, Gutierrez G, Vissani A, Rodriguez S, Barrandeguy M, Trono K. Standardization and validation of an agar gel immunodiffusion test for the diagnosis of equine infectious anemia using a recombinant p26 antigen. Vet Microbiol. 2007;(121): 344-51.
18. Issel CJ, Cook SJ, Cook RF, Cordes TR. Optimal paradigms to detect reservoirs of equine infectious anemia virus (EIAV). J Equine Vet Sci. 1999;19:728-32.
19. Mcconnico RS, Issel CJ, Cook SJ, Cook RF, Floyd C, Bisson H. Predictive methods to define infection with equine infectious anemia virus in foals out of reactor mares. J Equine Vet Sci. 2000;20:387-92.
20. Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução normativa nº 45, de 15 de junho de 2004. Aprova as normas para a prevenção e o Controle da Anemia Infecciosa Equina - A.I.E. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília (DF), 2004 Jul 7. Seção 1, p. 7.
Publicado
30-06-2011
Como Citar
Masello Junqueira Franco, M., & Paes, A. C. (2011). Anemia infecciosa equina. Veterinária E Zootecnia, 18(2), 197-207. https://doi.org/10.35172/rvz.2011.v18.389
Seção
Artigos de Revisão

Most read articles by the same author(s)